AIÓN (Fruet Music , 2012 /2013) é o segundo álbum da banda. O disco tem 15 faixas, sendo 13 inéditas, uma bônus e uma versão para “Mal Secreto”, de Jards Macalé e Waly Salomão. O produto pode ser encontrado nas melhores lojas do ramo, na loja da banda ou através da distribuidora Tratore. A expressão “AIÓN”, oriunda da Grécia antiga, é usada para se referir a um tempo diferente do cronológico, que não pode ser medido pela quantidade, mas pela qualidade.

O design gráfico do álbum criado pelo artista Índio San, por outro lado, tem inspiração na física, misturando linhas de reflexão com o “olhar do observador” - representação gráfica de um olho geralmente usada para descrever o posicionamento do sujeito que enxerga uma determinada imagem de um objeto em um esquema ótico. É dessa forma que Marcelo Fruet apresenta os dois eixos centrais que movem seu trabalho musical: tempo e ilusão. Não por acaso, o disco foi lançado primeiro no Japão, onde o tempo começa antes, no dia de amanhã, em relação ao Brasil. Contrariando a lógica, o disco “AIÓN” nasceu no futuro e de cabeça para baixo.

 

O Som do Fim ou Tanto Faz (independente, 2007) é o primeiro disco de Marcelo Fruet & Os Cozinheiros. O álbum conta com seis faixas inéditas, uma para cada lado do cubo que pode ser montado com a embalagem do produto físico. É um disco-objeto cujo resultado é um dado que pode ser jogado para escolher a faixa a ser escutada pelo ouvinte, com uma ilustração de Indio San para cada música. O processo randômico, batizado de “shuffle analógico” por seus criadores, é o início do questionamento sobre o tempo, sobre a influência determinante do acaso em nossas vidas.